Chuchu, estás aí?

Chuchu, pimpinela, machucho, caiota… são muitas as alcunhas do príncipe asteca. O seu nome botânico é Sechium edule e, por mais estranho que possa parecer, pertence à mesma família do pepino, abóbora ou melão. Agora que já conhece a árvore genealógica do chuchu, acabaram-se as desculpas para o deixar de fora da sua alimentação.

Depois de cinco séculos de viagem, o chuchu tem uma bagagem cheia de histórias. Príncipe dos astecas e idolatrado pelos incas, é hoje adorado pelo seu sabor suave e baixo teor calórico assim como pela diversidade de receitas em que pode ser incorporado.

Cinco séculos de chuchu

Durante a época dos Descobrimentos, as viagens às Américas deram a descobrir não só terras, povos e culturas interessantes, como alimentos nunca antes vistos pelos europeus. Assim se desenrola a história do chuchu, introduzido na Europa durante os séculos XV e XVI.

O chuchu, ou chayotli, como era chamado em nahuatl (a língua dos astecas), é originário da América Central – mais concretamente das regiões onde hoje estão México, Costa Rica e Panamá. Daí viajou para a Europa, de onde foi levado para o resto do mundo. Actualmente faz parte da gastronomia de países tão diversos e distantes como o Brasil ou a Indonésia. Ancorou também em Portugal – em particular no arquipélago da Madeira, onde é conhecido como pimpinela, sendo um ingrediente muito importante na cozinha local.

O chuchu é fruta ou legume?

Tecnicamente o chuchu é uma fruta mas é tratado como um legume – tal como acontece o tomate. A sua forma e sabor podem confundir à primeira vista, já que parece uma pêra mas tem um sabor muito suave que faz lembrar o do pepino.

Chuchu: nutritivo e baixo em calorias

O chuchu tem uma casca verde, podendo ir desde o verde-esbranquiçado até ao verde-escuro. A casca pode ser perfeitamente lisa e suave, ou conter alguns espinhos, enquanto a polpa é normalmente branca ou amarelada. Contém um único caroço, que faz lembrar o do abacate. A variedade mais popular de chuchu é a que apresenta casca lisa de cor verde-claro.

Benefícios do chuchu

Apesar de ser fácil ter acesso a alimentos fora da época, o chuchu pode ser consumido durante todo o ano, já que se conserva relativamente bem e pode ser cultivado sempre que haja temperaturas amenas.

A sua crescente popularidade deve-se ao seu baixo teor em calorias e ao elevado teor de nutrientes: o chuchu é fonte de zinco e vitaminas do complexo B. Além disso, podem-se consumir as folhas, os rebentos e as raízes, ricos em vitaminas B e C e sais minerais.

Consumir chuchu: um lugar em cada gastronomia

A forma mais comum de comer chuchu é na sopa. Mas esta não é nem de perto nem de longe a única maneira de usar o chuchu na cozinha.

Chuchu: experimente-o num prato asiático

Na Madeira, o chuchu é muito apreciado cozido com feijão, batatas ou milho, para acompanhar pratos de peixe ou carne. Se der uma olhadela num livro de receitas da América do Sul, poderá descobrir que o chuchu é frequentemente saboreado panado e frito. Se preferir comida asiática, incorpore-o num delicioso chop suey ou num caril aromático. Se tiver mestria na cozinha, experimente-o num soufflé. Se não se arrisca a tanto, marine o chuchu em sumo de limão ou lima e incorpore-o numa salada, para um toque diferente num prato saudável.

Mas tenha atenção, o chuchu é extremamente sensível: pode ficar pisado se cair ao chão ou se for transportado sem o devido cuidado.

Experimente um sumo refrescante de chuchu e pepino ou um creme de agrião com chuchu, extremamente saudáveis.