Covid-19: Quando a ansiedade se torna viral

Estamos a viver um momento ímpar nas nossas vidas, só comparável ao de uma tempestade.

O novo coronavírus (Sars-Cov-2) trouxe grandes mudanças nas rotinas do dia-a-dia de milhões de pessoas em todo o mundo. E, como em todas as grandes mudanças, precisamos de tempo para nos adaptarmos.

A cada dia que passa, ficamos na expectativa de saber os números, as medidas que nos vão ser impostas, quanto tempo este momento único e indelével vai durar. É por isso absolutamente natural que nos comecemos a sentir amedrontados, ansiosos, tristes, zangados, entre outras coisas.

Preparar a família para o isolamento social

Mesmo nas alturas mais tranquilas, o ser humano tende a não lidar bem com acontecimentos que vão contra as suas expectativas. O que aqui partilhamos, não se destina apenas às crianças, mas sobretudo ao pais, que passam a ter que conjugar as suas rotinas de trabalho com as dos seus filhos, que estão em casa e que continuam a cumprir com as tarefas escolares.

É natural que os mais pequenos estejam assustados, não compreendendo muito bem, tal como todos nós, o que se está a passar. O afastamento forçado dos amigos, o estar permanentemente com os irmãos, o suspender da actividade física, tão importante na sua rotina, todas estas mudanças, poderão também vir a ser factores que conduzam ao aparecimento de birras, amuos, brigas entre irmãos, perguntas incómodas, e também a momentos de ansiedade, muita ansiedade.

Dicas para superar a quarentena em família

Para tentar manter uma adequada saúde mental, torna-se essencial que tome algumas medidas em sua casa.

  1. Mantenha uma rotina

    Tente manter a sua rotina, os horários de acordar ou de refeições. Comer de forma saudável e fazer exercício físico dentro das recomendações dadas pelas autoridades de saúde ajudam-nos a controlar o stress.

  2. Informe-se, mas comedidamente

    Evite ler, ouvir ou ver notícias que o deixem ansioso ou angustiado. Por estes dias têm sido partilhadas inúmeras informações falsas e alarmistas que não ajudam as autoridades e que espalham o medo e o pânico entre as pessoas. Não partilhe informações que não estejam confirmadas.

  3. Seja positivo

    Partilhe histórias positivas. As histórias positivas e o trabalho das largas centenas de profissionais de saúde que todos os dias dão o litro para ultrapassar a tempestade, ajudando diariamente as pessoas afetadas pela COVID-19, devem ser reconhecidas e partilhadas.

  4. Mantenha-se activo

    É importante encontrar formas positivas para expressar sentimentos negativos, como o medo ou a tristeza. Desenvolva actividades que estimulem a criatividade dos mais pequenos, como desenhar ou pintar. Promova igualmente tardes em família, acompanhadas por jogos de tabuleiro, por forma a facilitar a comunicação entre pais e filhos e criar um ambiente seguro.

  5. Não se isole

    Mesmo com todas as restrições de contacto social, importa promover a interacção com outras pessoas através de chamada telefónica ou de aplicações online. As pessoas em isolamento devem manter os seus contactos sociais, seja online ou por telemóvel.


Tente ter o mais possível um comportamento adaptativo ao período que estamos a viver e não se esqueça de seguir as recomendações para evitar a propagação do vírus. Sobretudo lembre-se: a tempestade vai passar.

Respire fundo e cuide de si e dos seus.