Serão as máscaras as novas beatas ou pastilhas elásticas?

São imagens que se multiplicam, infelizmente: um pouco por todo o mundo são partilhadas fotografias e vídeos de ruas, passeios e jardins com luvas e máscaras de protecção descartáveis espalhadas por todo o lado, deixadas no chão após terem sido usadas.

Também as praias e os oceanos estão a ser afectados pela falta de cuidado.

Quando não são encaminhados e tratados correctamente, os materiais de protecção já utilizados não só podem aumentar o risco adicional de contaminação e de contágio, como também agravam os níveis de poluição no ambiente. Todos os anos, cerca de oito milhões de toneladas de plástico acabam no mar, de acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza. Vamos mudar a tendência?

Diga não às máscaras e luvas no oceano

Apesar dos níveis de poluição terem diminuído como consequência do fecho de fábricas, menos viaturas a circular, aviões em terra e milhões de pessoas confinadas, a pandemia provocada pelo novo coronavírus colocou uma pressão adicional sobre a área da saúde e sobre as indústrias de material médico e de protecção individual.

Para responder rapidamente ao aumento da procura, os materiais de protecção disponíveis começaram por ser descartáveis. Nalguns casos evoluíram para alternativas reutilizáveis como as máscaras de protecção feitas de algodão ou fibras sintéticas: foram pensadas para proteger, reduzindo a necessidade de consumo de materiais.

O plástico não é o inimigo

Na verdade, o plástico tem sido muito importante para a área da medicina e da saúde. É graças a ele que tem sido possível produzir de forma rápida e barata não apenas materiais de protecção (como viseiras ou máscaras), mas também uma boa parte das peças que compõem um ventilador hospitalar, por exemplo.

Temos muitas vezes a tendência para diabolizar o plástico e fazer dele o inimigo número um do ambiente. Mas o problema não é o plástico em si, mas aquilo que fazemos com ele. Se não formos capazes de colocar o lixo no contentor respectivo ou se não nos desfizermos correctamente dos materiais de protecção (sejam feitos de plástico ou não) corremos o risco de aumentar os níveis de poluição nos solos, mares e oceanos. Os materiais acabam por se desfazer, fragmentar e infiltrar-se nos sistemas de águas pluviais – de onde vem a água que bebemos nas nossas casas.

As máscaras são recicláveis?

Grande parte dos materiais de protecção não são recicláveis. No entanto, mesmo que o sejam, não devem ser reciclados, de modo a evitar novos focos de infecção.

Luvas, máscaras e outros materiais de protecção – descartáveis ou reutilizáveis – não devem ser colocados no ecoponto.

Onde colocar máscaras, luvas e outros materiais de protecção usados?

A forma correcta de deitar fora materiais de protecção já usados, como luvas e máscaras, é colocá-los em dois sacos do lixo (um dentro do outro) que devem ser fechados e colocados no lixo comum. A Direcção-Geral da Saúde recomenda ainda que não seja excedida 2/3 da capacidade do recipiente.

É ainda importante salientar que os sacos contendo resíduos potencialmente perigosos devem ser colocados dentro dos contentores de lixo indiferenciado – no chão nunca – pelo perigo de se rasgarem e o seu conteúdo acabar espalhado pela rua.

Como retirar máscaras e luvas de forma segura?

Colocar e retirar material de protecção usado deve ser feito com máxima atenção. Antes de mais, é necessário lavar e secar bem as mãos antes de colocar luvas ou máscaras. É ainda importante evitar tocar com as mãos nos olhos, nariz ou boca. Uma vez usados, não reutilize materiais de protecção descartáveis.

Como remover luvas de protecção em segurança

As luvas usadas devem ser retiradas de forma a tocar o mínimo possível na parte exterior com as mãos. A forma mais eficaz e segura é descalçar as luvas puxando-as pelos punhos, de forma a que fiquem viradas do avesso (com a parte interior e não contaminada virada para fora).

Como remover máscaras em segurança

Em relação às máscaras, devem ser retiradas pelos atilhos, evitando tocar no interior, e descartadas imediatamente no lixo comum.