Silêncio, que se vai cortar no consumo de energia

O seu computador, a televisão, o forno, o micro-ondas, a consola de jogos, a impressora, a máquina de café (já percebeu a ideia, certo?), podem estar a consumir energia desnecessariamente.

O standby, o off-mode ou até mesmo o power saving mode, são palavras que sorrateiramente se foram intrometendo no nosso dia-a-dia sem que nos tenhamos dado conta. E quem sai prejudicado por esta distracção é mesmo o planeta. Siga as próximas dicas e saiba como detectar as principais fontes de perda de energia e diminuir a sua pegada energética.

O que é o consumo de energia em standby?

O consumo de energia em standby, isto é, em modo espera ou em suspensão, refere-se à energia consumida por certos aparelhos electrónicos quando estão aparentemente desligados. Uma vez que a ordem foi dada através do comando, na verdade não estão totalmente desligados: existe perda de energia e os equipamentos continuam a consumir sem desempenharem as suas funções principais. Em grande parte dos casos, os aparelhos em modo standby, como uma box ou uma consola, têm uma luz de presença acesa ou intermitente que consome energia – ainda que muito pouca.

E o consumo off-mode?

Para além do consumo em standby, existe o consumo off-mode, ou seja, os que acontece quando os equipamentos estão desligados. A energia evapora-se sem indicação visível de que está a ser gasta.

Que aparelhos têm maior consumo de energia “fantasma”?

Estes são alguns dos electrodomésticos e equipamentos electrónicos que consomem energia quando estão em standby ou off-mode:

Equipamentos que consomem energia em standby
  • Box e routers;
  • Consolas de jogos;
  • Electrodomésticos e outros equipamentos “Smart”;
  • Carregadores;
  • Computadores;
  • Electrodomésticos com visor de informação (como por exemplo relógios em fornos e micro-ondas);
  • Máquinas de café;
  • Televisões.

Há outras fontes de consumo de energia em sua casa, constantes, mas necessárias. Uma delas é o frigorífico, que está ligado e em funcionamento 24 horas por dia, 365 dias por ano. Da mesma forma, congeladores e arcas frigoríficas, sistemas de aquecimento e caldeiras também integram esta lista.

Como calcular o consumo de energia dos aparelhos lá de casa que estão em standby?

Calcular o consumo de energia em standby

Os consumos de energia em standby são significativos?

No início dos anos 2000, os consumos de energia em standby eram bastante significativos. Em 2010, a Comissão Europeia, sob recomendação da Agência Internacional de Energia, proibiu certos aparelhos de ultrapassar um limite máximo de potência em standby de 1 watt. O valor pode parecer insignificante, pois mesmo que ligado à corrente durante horas, 1 watt não será suficiente para carregar o telemóvel, nem chegará sequer para acender uma lâmpada lá de casa.

Mas se multiplicarmos cada um destes watts pelo tempo que estão ligados à corrente e por cada um dos milhares de milhões de aparelhos presentes nas nossas casas ou em edifícios comerciais em todo o mundo, o valor passa a representar uma fatia importante da utilização total de electricidade.

Todos os gestos contam

Se é dos que desliga sempre a televisão, mas se esquece de desligar a box, saiba que uma box sempre ligada pode custar-lhe 0,05 €/dia (1,50 €/mês). Em standby, este custo reduz-se um pouco, para os 0,04 €/dia (1,20 €/mês). E se a desligar no botão on/off? Zero! E este é apenas um dos dispositivos que tem em casa.

O valor do consumo de energia em standby imposto pelos reguladores caiu para metade em 2013, mas o problema não deixou de existir.

Para ficar com uma ideia, se tiver televisões em casa frequentemente em standby, computadores fixos ou portáteis, máquinas de café, micro-ondas e fornos com relógio, consolas de jogos que se ligam em rede, boxes de televisão por cabo, sistemas de som surround e routers, o consumo em standby pode facilmente chegar aos 50 watts por dia.

Este valor aumentará se tiver mais aparelhos, equipamentos e electrodomésticos smart, já que normalmente se ligam em rede e fazem actualizações de software e de segurança com regularidade.

E quais são os impactos para o planeta?

Para que seja possível limitar o aumento da temperatura a 1,5°C, de acordo com as metas estipuladas no Acordo de Paris de 2015, a política energética da União Europeia para os próximos 40 anos terá de estar alinhada com estes esforços.

É urgente reduzir o consumo energético. Em 2018, a intensidade de energia primária – um indicador importante sobre a quantidade de energia usada pela economia global - melhorou apenas 1,2%, o que representa a taxa mais lenta desde 2010.

A intensidade de energia primária mede a quantidade de energia necessária para produzir uma unidade de riqueza. O que se pretende é que se utilize cada vez menos energia para produzir a mesma unidade de riqueza, gerando maior eficiência. Simples.

Reduza o consumo de energia

  • Extensões de tomadas

Uma das formas mais eficazes de reduzir o consumo de energia silencioso é usar extensões de tomadas com interruptor.

Remover os carregadores e transformadores das tomadas também é uma opção. Mas e todos os pequenos electrodomésticos que assumem standby? Para evitar ter de os desligar todos das respectivas tomadas – o que pode ser inconveniente e leva a mais esquecimentos – pode ligá-los a uma extensão eléctrica com várias tomadas e com interruptor.

Além disso, não esqueça os carregadores de telemóveis, tablets e computadores portáteis na tomada depois de ter carregado os aparelhos. E, claro, não deixe os aparelhos ligados ao carregador com a bateria completa – apesar de pequeno, o consumo acontece.

  • Temporizadores

Outras opções são os temporizadores ou as tomadas inteligentes. Os temporizadores (ou “relógios”) são usados frequentemente com aquecedores no Inverno, mas podem ser usados com quase todos os aparelhos e pequenos electrodomésticos. Se a sua família tem uma rotina fixa, pode usar isso a seu favor, programando as tomadas com temporizador para desligarem durante as horas em que não está em casa ou durante um período considerável em que não esteja a usar nenhum aparelho (por exemplo, à noite).

Há até tomadas inteligentes que permitem ligar e desligar equipamentos associados através do smartphone, o que é mais uma forma de travar o consumo “fantasma”.

Poupar energia em casa

Outras formas de poupar energia em casa

  1. Opte por lâmpadas LED – a poupança pode rondar os 25 € a 50 €, de acordo com a Comissão Europeia;
  2. Escolha electrodomésticos energeticamente eficientes – preste atenção à etiqueta energética dos equipamentos electrónicos e electrodomésticos. Se puder, opte por aqueles que têm uma certificação energética mais eficiente (A+++);
  3. Planeie as refeições com antecedência – passe os alimentos congelados que vai precisar no dia seguinte para o frigorífico e consiga uma redução de 2% do consumo diário de energia do electrodoméstico;
  4. Evite abrir as portas do frigorífico com frequência – por cada 10 segundos com a porta aberta, o consumo aumenta entre 0,2% e 0,8%;
  5. Faça cargas completas – ligue as máquinas da roupa e da loiça apenas quando estiverem cheias. Escolha ciclos mais curtos ou programas “eco”;
  6. Desligue o forno e o fogão 10 minutos antes do tempo – o calor acumulado vai acabar de cozinhar os alimentos sem ter necessidade de gastar energia extra.