Fontes de energia renovável e não renovável: qual a diferença?

Antes de passarmos à lista dos países mais “limpos”, comecemos pelo início. Afinal, o que distingue estes dois tipos de fontes de energia?

De forma muito simples, as fontes de energia renovável não se esgotam. Ou seja, são fontes naturais e, por isso, têm a capacidade de se regenerar de forma contínua, sem necessidade de intervenção humana. A sua utilização não implica a emissão de gases de efeito estufa, como o CO₂, sendo, por isso, muitas vezes apelidada de energia “limpa” ou energia “verde”.

Pelo contrário, as fontes de energia não renovável, ou combustíveis fósseis, têm reservas limitadas, ou seja, são recursos que se esgotam, sendo que o seu processo de obtenção é lento e faz com que seja difícil acompanhar o ritmo de consumo atual.

Ao utilizar fontes naturais para produção energética, ou seja, ao utilizar energias renováveis, estamos a contribuir para a sustentabilidade do planeta, não comprometendo as gerações futuras. É, assim, importante repensar a forma como, mundialmente, se produz energia.

Fontes de energia

Renovável: Sol (energia solar), vento (energia eólica), água (energia hídrica), matéria orgânica não fóssil (biomassa), calor da Terra (energia geotérmica).
Não renovável: Petróleo, carvão, gás natural, urânio.

Que países lideram o ranking mundial de produção de energia renovável?

A utilização de eletricidade associada a fontes de energia renovável é um futuro cada vez mais presente. Dados de 2021 indicam que quase 30% da eletricidade consumida no planeta é proveniente de fontes renováveis. Os dados são da consultora Enerdata que, anualmente, publica um estudo sobre a produção e consumo de energia a nível mundial e o seu impacte ambiental.

O mesmo estudo indica que o maior produtor de energia “limpa” é a Noruega, onde 99% da energia produzida é proveniente de fontes renováveis. Na segunda posição está a Nova Zelândia, com 80,9% de energia renovável, que ultrapassou o Brasil (desceu uma posição face a 2020 e ocupa o terceiro lugar com 78,4%). Portugal ocupa a sétima posição, tendo subido uma posição face a 2020, com 65,5% da energia produzida através de fontes renováveis.

10 de países com maior proporção de energias renováveis utilizadas na produção de eletricidade

Porque é que devemos transitar para as energias renováveis?

Um dos motivos para esta transição é o facto da produção de eletricidade associada a fontes de energia renovável ter baixas emissões de dióxido de carbono, em comparação com as não renováveis.

São estas emissões as principais responsáveis pelas alterações climáticas, que se manifestam através do aumento do nível dos mares, do aumento da temperatura da atmosfera e da perda da biodiversidade. Ou seja, a utilização de fontes de energia não renovável impacta diretamente o futuro do nosso planeta.

Como resposta, têm sido lançadas ambiciosas políticas ambientais na União Europeia, EUA, China, Índia, Japão e Austrália. A redução dos custos de desenvolvimento das tecnologias que permitem a obtenção deste tipo de energia nos últimos anos também alargou a procura por produção renovável. Por isso mesmo, a par dos países desenvolvidos, também muitos países em desenvolvimento estão a conseguir aumentar as suas capacidades nesta área.

Sabia que?

Um gigawatt-hora (GWh) de eletricidade gerada por energia eólica (fonte renovável) liberta 4 toneladas de dióxido de carbono, mas a mesma quantidade de eletricidade gerada numa central térmica a carvão (fonte não renovável) chega a produzir 820 toneladas de dióxido de carbono.

Quais as fontes de energia renovável mais utilizadas?

O vento e o sol (fontes das energias eólica e solar, respetivamente) são as fontes de energia renovável que mais cresceram. Os dados do relatório anual de 2021 da Agência Internacional de Energia apontam para um crescimento de 17% na utilização de energia eólica em 2021, face a 2020, e para um crescimento de 18% da utilização de energia solar em 2021, em comparação com o ano anterior.

Em 2021, a produção de energia proveniente de fontes renováveis na Europa foi de 40,9%. Na China, cerca de 26% da energia gerada é renovável, e nos EUA, Índia e Japão é cerca de 17%.

A estrada é longa, mas os factos indicam que estão a ser feitos esforços mundiais para melhorar o ambiente e o planeta, com resultados visíveis. Se há algo que deve reter deste artigo é que, pela primeira vez na Europa, há mais eletricidade a ser produzida a partir de fontes renováveis do que de combustíveis fósseis, sendo que Portugal ocupa a 3.ª posição. Mais do que uma boa notícia, é também a certeza de estamos a caminhar em direção a um futuro mais sustentável.