O que é a kombucha? Desembucha!

A kombucha (pronuncia-se com-bu-tcha) é uma bebida à base de chá fermentado. Apesar da sua recente popularidade, esta bebida ligeiramente gasosa existe há muito tempo. Estima-se que tenha tido origem na China, há 2.000 anos, tendo chegado à Rússia no século XX. Depois, disseminou-se pela Europa de Leste e pela Alemanha, mas foi só no século XXI que ganhou fãs nos EUA e no resto do mundo.

Kombucha: como se faz?

O segredo está na fermentação. A kombucha é feita a partir de chá, normalmente chá preto ou chá verde, ao qual é adicionado açúcar, que é fermentado pela ação de uma cultura viva, chamada SCOBY – um acrónimo para a expressão inglesa “symbiotic culture of bacteria and yeast”, ou “cultura simbiótica de bactérias e leveduras”.

SCOBY

SCOBY (Symbiotic Culture Of Bacteria and Yeast)

É por isso que esta bebida é também apelidada “chá vivo”. Estas bactérias e leveduras atuam no açúcar e na teína (o princípio ativo do chá), criando dióxido de carbono (as bolhas de gás) e etanol. O resultado é uma bebida com gás, adocicada e com um sabor pungente (há quem diga que é ligeiramente avinagrado).

O que é o SCOBY?

É a cultura viva que resulta do processo natural de fermentação da kombucha. É um elemento crucial para a sua produção, pois é nesta espécie de “película” que se encontram e vivem as bactérias e as leveduras que compõem a kombucha.

O que tornou a kombucha tão popular?

A popularidade da kombucha deve-se aos potenciais benefícios para a saúde que lhe têm sido atribuídos. Reza a lenda que, durante a dinastia Tsin na China de há 2.000 anos, o imperador acreditava que a sua jovialidade e a sua saúde residiam no consumo desta bebida, tendo-a batizado como o “chá da imortalidade” ou o “elixir da vida”.

Na tentativa de encontrar uma alternativa natural para o equilíbrio do corpo e da mente, eis que, muitos anos depois, os ocidentais se deparam com a kombucha e a tornam popular entre si.

Por outro lado, o seu sabor agridoce é, para muitas pessoas, bastante agradável.

Parece-lhe estranho algo fermentado ser tão popular? A verdade é que há muitos alimentos e bebidas fermentadas que todos conhecemos. São os casos do iogurte, do kefir (leite fermentado), da pasta miso, do popular kimchi coreano, do chucrute alemão ou dos pickles (tão fáceis de fazer em casa). Também o vinho e a cerveja são o resultado de um processo de fermentação.

Kombucha aromatizada

Verdade seja dita: pode ser difícil gostar ao primeiro trago, mas para quem não é fã do sabor original, existem versões aromatizadas desta bebida. Por exemplo, podem ser adicionadas ervas aromáticas, fruta fresca ou especiarias.

A kombucha pode ser uma alternativa a bebidas alcoólicas já que, apesar de poder conter uma percentagem de álcool muito reduzida (normalmente não excede 0,5%, uma quantidade mínima que resulta do processo de fermentação), existem versões sem álcool. Pode ainda ser uma opção para um churrasco mais saudável, uma saída com amigos, ou até um dia de praia.

No entanto, uma vez que tem açúcar, o seu consumo deve ser moderado e inserido numa alimentação variada. As pessoas com pouca tolerância a bebidas gaseificadas ou ácidas também devem moderar o seu consumo e desaconselha-se a ingestão desta bebida em caso de gravidez ou amamentação. É importante que qualquer mudança na sua alimentação seja acompanhada por um profissional de saúde.

Ser ou não ser benéfica para a saúde, eis a questão

Assume automaticamente que a kombucha tem benefícios para a saúde? Então, saiba que o tema é mais complexo do que parece. É que cada kombucha é diferente entre si. A sua composição varia de acordo com a composição exata do SCOBY, o tipo e a concentração de chá e de açúcar, as concentrações de oxigénio, o tempo de fermentação, a temperatura e a duração do armazenamento. Desta forma, não é possível identificar uma composição nutricional e microbiana transversal às diferentes variedades de kombucha e torna-se difícil comprovar os alegados benefícios desta bebida para a saúde.

Apesar de ser muito associada à saúde gastrointestinal e microbiota, a verdade é que ainda não existem estudos que permitam afirmar os efeitos benéficos da kombucha nos seres humanos. Isto não significa que tem efeitos controversos na saúde, significa simplesmente que ainda não é possível estabelecer uma relação direta entre o consumo de kombucha e os benefícios a nível do controlo da glicemia, da perda de peso, da diminuição do colesterol, entre outros. Em quantidades moderadas, a kombucha pode fazer parte da sua alimentação e de um estilo de vida saudável, como alternativa ao consumo de bebidas alcoólicas ou aos refrigerantes com maior teor de açúcar.

Kombucha e não estrebucha

Se nunca experimentou kombucha e lhe despertámos a curiosidade, procure as variedades com sabor a coco e a framboesa disponíveis no Pingo Doce. Sem conservantes, sem glúten, biológicas e produzidas em Portugal!

Mas há mais. Sabia que a kombucha também pode ser usada em produtos de beleza? Numa próxima ida ao Pingo Doce, procure o gel de banho detox com kombucha, da marca Be Beauty. É composta por kombucha, obtida a partir do processo de fermentação numa infusão de chá preto, e contribui para o reequilíbrio e hidratação da pele.