Frigorífico meu, frigorífico meu, haverá melhor aliado na cozinha do que tu?

É alto, espaçoso e, tal como um cofre, guarda (e conserva) coisas preciosas: os alimentos que, todos os dias, nos dão energia e sustento. É o frigorífico, pois. Outros eletrodomésticos podem ser igualmente essenciais na cozinha – como a cafeteira para o café que desperta, a batedeira para o melhor bolo de chocolate ou a liquidificadora para o batido que salva as frutas do caixote do lixo. Mas a alimentação diária depende da correta conservação de alimentos perecíveis, no frigorífico ou no congelador, garantindo a sua qualidade, segurança alimentar e durabilidade.

E antigamente?

Quando não existia frigorífico nem congelador, a comida era conservada com técnicas de conservação de alimentos semelhantes e que foram evoluindo. Nos climas frios, usava-se o gelo da neve, nos climas quentes secavam-se os alimentos ao sol. Também a fermentação era uma prática.

Sabia que existem métodos para organizar a comida que guarda no frigorífico, mantendo-a fresca durante mais tempo e evitando, assim, o desperdício alimentar?

Um frigorífico à la Marie Kondo

Na preservação dos alimentos e no combate ao desperdício alimentar, há dois passos a ter em conta antes de abrir a porta do frigorífico. O primeiro é fazer compras zero waste; o segundo é saber decifrar as datas de validade num rótulo alimentar.

O derradeiro passo é garantir que guarda os alimentos da forma correta, para que durem mais tempo e mantenham a sua qualidade e segurança. Mas saber como organizar o frigorífico tem alguns segredos. Vamos descobri-los?

Como organizar o frigorífico em 10 dicas

  1. Distribua corretamente os alimentos

    A temperatura não é igual em todo o frigorífico – cada área tem características e funções que devem ser respeitadas.

    Prateleira superior

    Onde a temperatura é mais baixa e constante, ideal para alimentos perecíveis (com tempo de vida mais curto) e suscetíveis a mudanças de temperatura, como iogurtes, natas, leite fresco, queijos, compotas, sopa e comida preparada.

    Prateleira intermédia

    Guarde aqui produtos de charcutaria, saladas ou legumes cortados, conservas abertas (atenção: deve retirar o produto da lata e guardar dentro de uma caixa fechada), ovos, sobremesas ou leite.

    Prateleira inferior

    Reserve a última prateleira para carne e peixe crus, evitando que pinguem para outros alimentos e os possam contaminar. Os alimentos crus devem manter a “distância de segurança” dos alimentos cozinhados, para evitar contaminação cruzada.

    Porta

    Por ser, geralmente, a parte mais quente, aqui devem ser guardados alimentos pouco perecíveis como sumos, água, molhos processados (ketchup, mostarda, etc.), margarina e manteiga, e outros alimentos que tenham a indicação “depois de aberto, conservar no frigorífico”.

    Gavetas

    São especificamente desenhadas para guardar frutas e vegetais.

Ilustração de frigorífico aberto, com alimentos organizados.

Ovos: dentro ou fora?

A ASAE recomenda que os ovos sejam guardados no frigorífico, na prateleira superior ou intermédia (já que não devem sofrer muitas oscilações de temperatura), com a ponta mais fina virada para baixo. Outra dica: os ovos ficam mais bem protegidos dentro da caixa de cartão.

  1. Aplique o método FIFO

    É um acrónimo para “First In, First Out” – em português significa “Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair”. Ao organizar o frigorífico segundo este método, deve colocar os produtos que entraram em primeiro lugar – como legumes ou refeições preparadas em casa – à frente dos que chegaram em último lugar, para garantir que são os primeiros a sair. Ou seja, se tiver queijo fresco no frigorífico e comprar mais, deve colocar a embalagem mais recente atrás da mais antiga – deverá consumir a mais antiga em primeiro lugar, dado que o seu prazo de validade será, à partida, mais curto. Nem sempre é assim – pode, por exemplo, ter iogurtes no frigorífico e aproveitar uma promoção nos iogurtes cuja validade está perto de expirar. Nesse caso, pode usar o método FEFO – “First Expired, First Out” – ou seja, o produto cuja validade expirar em primeiro lugar deve ser o primeiro a sair do frigorífico.

  2. Use caixas transparentes

    Se guarda todos as sobras de comida, mas tem tendência a esquecer-se do que contém cada recipiente, use caixas de plástico ou de vidro transparentes. Quem resiste ao “olhar” convidativo de um último pedaço de lasanha?

  3. Coloque etiquetas

    Outro truque para evitar o fenómeno das “caixas abandonadas” no frigorífico é escrever numa etiqueta o tipo de comida e a data em que foi preparada, para perceber se ainda fará sentido consumir – os “restos” devem ser consumidos no prazo de 2 a 3 dias. Use esta dica em conjunto com o método FIFO.

  4. Não encha demasiado o frigorífico

    Sobrecarregar o frigorífico impedirá o ar de circular, e fará com que a humidade fique retida em certos sítios, sendo um entrave à preservação dos alimentos.

  5. Ajuste a temperatura

    O ideal será manter o frigorífico entre os 0 °C e os 5 °C, regulando para valores mais frios durante o verão e para valores intermédios durante o inverno. As portas do frigorífico só devem ser abertas quando necessário e (bem) fechadas o quanto antes. Se o frigorífico estiver organizado e souber de antemão o que precisa de retirar, evitará que as portas estejam demasiado tempo abertas, poupando energia em casa.

  6. Espere que os seus cozinhados arrefeçam

    Colocar alimentos quentes no frigorífico vai perturbar a temperatura do mesmo e, consequentemente, a conservação dos restantes produtos. Espere cerca de duas horas até que arrefeçam, já que os alimentos não devem ficar à temperatura ambiente por mais tempo.

  7. Embrulhe alface, rúcula, espinafres com papel de cozinha

    Para evitar que fiquem moles ou que apodreçam, guarde as folhas destes vegetais com papel absorvente num saco fechado – a humidade será absorvida pelo papel e terá verduras frescas e firmes.

  1. Guarde os cogumelos frescos num saco de papel

    Quando os cogumelos estão expostos a humidade, começam a escurecer e a amolecer, podendo desenvolver fungos. Para que durem mais tempo, guarde-os num saco de papel. Lave-os apenas antes de cozinhar ou, em alternativa à água, limpe-os com papel de cozinha.

  2. Coloque ervas aromáticas em água

    Para evitar que os molhos de ervas aromáticas, como salsa ou coentros, murchem rapidamente, coloque-os num copo com água, como um bouquet, e cubra com um saco plástico sem apertar. Poderá também envolver em papel de cozinha húmido. Se tiver espaço nas prateleiras superiores, use-as.

E se tiver alimentos e sobras às quais, efetivamente, não conseguirá dar vazão? Recorra à parelha do frigorífico: o bom velho congelador, outro aliado no combate ao desperdício.

Dica extra: invente um inventário!

Cada frigorífico conta uma história, não só pelos alimentos que alberga, mas porque pode guardar outras coisas, tornando-o único e pessoal: fotografias de momentos especiais, recados e lembretes de datas e tarefas importantes.

A par destes pequenos “tesouros”, sugerimos que tenha um bloco de notas magnético no frigorífico e que mantenha um registo escrito do seu inventário. Assim, saberá sempre que alimentos tem em casa, evitando o desperdício alimentar e o aumento da despesa de supermercado ao final do mês.