Spoiler Alert: Este artigo é mais do que isso; é também um desafio que lhe lançamos, para que o seu ano comece com mudanças positivas. Porquê? Contamos-lhe de seguida.

O que é a pegada ecológica?

A pegada ecológica é um indicador de sustentabilidade ambiental que mede o impacto das atividades humanas no planeta. Trocado por miúdos, serve para avaliar a quantidade de recursos necessários para sustentar a população e a economia, tanto ao nível da produção e do consumo como da absorção dos resíduos gerados. A medição é feita em hectares globais (gha), uma unidade de medida que representa a quantidade mundial de produção e de assimilação de resíduos gerada por um hectare de terras e águas produtivas, anualmente.

Para que não esgotemos os recursos do planeta, a pegada ecológica deveria ser igual ou inferior à biocapacidade da Terra, ou seja, à capacidade de regeneração dos recursos naturais. Mas, nem sempre é isso que acontece.

Em 2022, a pegada ecológica portuguesa per capita foi de 4,55 gha, sendo que a biocapacidade per capita de Portugal foi apenas 1,29 gha. Ou seja, houve uma produção muito superior à capacidade de regeneração de recursos naturais.

É inevitável, por isso, falar-se de pegada ecológica sem se falar do Dia da Sobrecarga da Terra, que representa a data em que a humanidade esgota os recursos naturais que o planeta é capaz de renovar ao longo de um ano. Em 2022, o dia da sobrecarga de Portugal deu-se a 7 de maio, mais cedo do que em 2021, quando o dia da sobrecarga foi a 13 de maio.

Em 2022, a pegada ecológica de cada pessoa no planeta foi de 2,78 gha, e o dia da sobrecarga da Terra foi em 28 de julho (dois dias mais cedo do que no ano anterior), o que significa que a humanidade “gastou” 1,75 planetas para manter o seu estilo de vida.

Para inverter a tendência, cada pessoa pode, com pequenos gestos, fazer a sua parte para reduzir a pegada ecológica e contribuir para um planeta mais sustentável. Junta-se ao desafio?

12 Resoluções de Ano Novo para reduzir a pegada ecológica

Neste novo ano, trazemos-lhe 12 resoluções, uma por mês, para aplicar no dia a dia e começar a reduzir a sua pegada ecológica.

Uma nova forma de comer
  1. Janeiro: Uma nova forma de comer

A alimentação é um dos principais fatores para o aumento ou diminuição da pegada ecológica. Em Portugal, o consumo de alimentos representa cerca de 1/3 da pegada ecológica. A nossa tradição alimentar ainda depende muito da carne e do peixe, mas é no variar que está o ganho.

Uma porção de carne ou peixe equivale a 150 gramas e uma porção de fruta ou vegetais equivale a 80 gramas. A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de até duas porções de carnes vermelhas e três porções de carnes brancas por semana, e o consumo de três a cinco porções de fruta e legumes por dia!

Aceite o desafio de comer mais vegetais, mais frutas, mais leguminosas, menos comidas processadas, menos carne e peixe, menos açúcar e menos gorduras – princípios valiosos da dieta mediterrânica. Porque não escolher um dia da semana para praticar uma dieta vegetariana ou vegana? Além de poder usar a sua criatividade na cozinha, estará ainda a contribuir para reduzir a emissão indireta de gases com efeito de estufa e, consequentemente, para a redução da pegada ecológica.

Revisite a eficiência energética em casa
  1. Fevereiro: Revisite a eficiência energética em casa

É fevereiro e o desafio é olhar para dentro de casa. Sabia que as lâmpadas LED permitem poupar até 80% da energia consumida? E são muito mais duráveis do que as incandescentes e fluorescentes? Também é possível poupar dinheiro com os eletrodomésticos que utilizamos, olhando para as etiquetas de eficiência energética. Atualmente, as etiquetas marcam de A a G, sendo A mais eficiente e G menos eficiente. Sempre que possível, opte pela classificação A para poupar na conta da eletricidade e na sua pegada ecológica. Conheça mais 7 formas de poupar energia e dinheiro sem dor.

  1. Março: Compre roupas de forma consciente

Com a primavera a chegar, surge a vontade de renovar o armário, mas será que é necessário? O conceito fast fashion – “comprar, usar, deitar fora” – é oposto da sustentabilidade, que encoraja as pessoas a comprar, usar, usar, usar, reparar, usar mais, doar e fazer circular.

Compre roupas de forma consciente

Por isso, em março, avalie o seu armário. Veja que roupas já não usa e pode doar, que peças podem ser reparadas, qual a roupa tem mesmo de ser substituída. No caso de ter de comprar roupa nova, aposte em peças de melhor qualidade, de fibras naturais e mais duráveis, e não descarte procurar soluções em segunda mão.

As peças de roupa com fibras naturais, como o algodão, têm menos quantidade de poliéster e outros plásticos, evitando a contaminação da água das lavagens com microplásticos. Aqui está uma dica para reduzir a pegada ecológica… com estilo.

Uma nova forma de se mover
  1. Abril: Uma nova forma de se mover

Se falamos de emissões de carbono e de consumo de recursos, temos de falar de transportes.

A partir de abril, ande mais de transportes públicos – autocarro, metro, elétrico e comboio – e, à medida que o bom tempo se aproxima, escolha a bicicleta, a trotinete, a scooter elétrica, ou ande a pé, sempre que a distância o permitir. O planeta, a carteira e a saúde agradecem.

Plante ervas aromáticas
  1. Maio: Plante ervas aromáticas

Depois das águas mil de abril, vem maio e as suas flores. E nesta altura de regeneração, que tal fazer uma horta caseira? Plantar ervas aromáticas é mais simples do que pensa, quer tenha varanda ou não. Já imaginou poder temperar os seus cozinhados com manjericão ou salsa plantados por si? É uma oportunidade de se conectar com a natureza, ter refeições mais sustentáveis e encher a casa de aromas deliciosos.

Poupe água em casa
  1. Junho: Poupe água em casa

Logo depois do Dia Mundial do Ambiente, os primeiros dias de calor trazem um maior consumo de água – e um lembrete para a poupar. Note que, com “poupar água” falamos da água para lavar roupa e louça, tomar banho, o autoclismo ou fazer as lides domésticas; não estamos a falar da água para beber – mantenha-se hidratado e opte por beber água da torneira (o que diminui o consumo de plástico!).

Considere ainda colocar um recipiente no exterior para recolher a água da chuva. Pode também ter um balde ou uma bacia dentro do chuveiro para aproveitar a água que está a correr enquanto espera que aqueça. Esta água pode ser aproveitada para regar as plantas, na sanita ou para lavar o carro.

Faça férias alternativas
  1. Julho: Férias alternativas

Sabia que, de todos os meios de transporte, o avião é aquele com as maiores emissões de carbono e de gases com efeito de estufa? Andar de avião justifica-se em viagens longas, já que as descolagens e aterragens são os momentos onde se geram mais poluentes e se gasta mais combustível. Para viagens curtas, considere o comboio, o ferry, o autocarro ou o automóvel.

Seja “cá dentro” ou “lá fora”, mantenha escolhas conscientes durante as férias, como visitar os locais a pé ou usar os transportes públicos, não poluir, fazer reciclagem, dar prioridade aos reutilizáveis, consumir produtos locais e ajudar o comércio local.

Questione as suas compras
  1. Agosto: Questione as suas compras

Em agosto, faça uma pausa nos mergulhos e comece a questionar de onde vêm os seus alimentos. É vital comprar produtos locais, mas será que sabe se o chocolate que compra contém cacau de produções sustentáveis? Ou como o óleo de palma chegou até si? Conhecer a origem dos alimentos é muito importante, bem como as certificações de sustentabilidade ou de comércio justo; é uma forma de ajudar os produtores e comerciantes locais e de países em desenvolvimento e, claro, o ambiente. Na próxima vez que for ao supermercado, preste atenção a estas informações. Dentada a dentada, é possível reduzir a pegada ecológica!

Aposte em energias renováveis
  1. Setembro: Aposte em energias renováveis

Se estiver a pensar em utilizar energias renováveis em casa, aproveite o mês de setembro para passar à ação. Colocar painéis solares não é tão difícil como foi em tempos, e há kits fotovoltaicos de autoconsumo que permitem poupar algumas centenas de euros por ano na conta da eletricidade. Caso tenha um rio ou curso de água por perto, pode aproveitar a energia hídrica; e certamente poderá usar energia de biomassa para aquecer a casa no inverno. São investimentos que valem a pena.

Recicle mais e melhor
  1. Outubro: Recicle mais e melhor

As mudanças começam no interior… de nós próprios e de nossas casas. Um gesto tão simples como colocar as embalagens nos ecopontos correspondentes é um grande passo em direção a uma menor pegada ecológica. Caso ainda não faça parte da sua rotina, aceite o desafio de colocar três ecopontos na sua cozinha. É a melhor forma de fazer a separação dos resíduos e, assim, ser mais fácil o seu devido encaminhamento na altura de “ir ao lixo”.

Sabia que existem mais do que três ecopontos? Da próxima vez que usar óleo alimentar ou substituir as pilhas do comando da TV ou da box, saiba que lhes pode dar uma outra vida. Conheça ainda os 5 Rs que tornam a vida mais sustentável.

Espalhe a palavra
  1. Novembro: Espalhe a palavra

Outra parte essencial da jornada de redução da pegada ecológica é incentivar mais pessoas a juntarem-se à causa. Fale com os seus colegas de trabalho, conte a sua experiência a amigos e familiares, partilhe as suas mudanças e conquistas nas redes sociais e desafie outros a juntarem-se a si. A sensação de contribuir para um planeta melhor é contagiosa!

Mais consumo consciente
  1. Dezembro: Mais consumo consciente

Por fim, chega dezembro e uma das alturas mais aguardadas do ano, o Natal. Neste mês, pense no caminho que percorreu, faça uma lista com os maus hábitos que abandonou e com os bons hábitos que adotou. Para terminar o ano em perfeição, celebre um Natal sustentável, dos presentes à ceia. Conheça um guia para presentes de Natal sustentáveis e um outro com ideias de presentes DIY e dê um toque ainda mais especial à época natalícia.


Parece que percorremos um calendário inteiro, mas estamos apenas no início. A altura perfeita para dizer “sim” à mudança, realizar objetivos e terminar o ano com a certeza de que tornámos o mundo um sítio melhor. Aceita o desafio? Subscreva a nossa newsletter, na qual todos os meses lhe vamos dar mais dicas para reduzir a pegada ecológica.